Em constante preocupação com o acesso democrático das informações e serviços relacionados à Justiça Eleitoral, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desenvolve ações de acessibilidade ao portal para pessoas com restrições motoras ou intelectuais.

De acordo com informações levantadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pelo menos 45 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência, no país. Ou seja, 25% da população encontra dificuldade para acessar a maior parte do conteúdo publicado na internet.

Para solucionar esse problema, o TSE codifica as páginas conforme as recomendações do Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) – órgão que define as diretrizes para a acessibilidade digital no mundo –, atendendo, ainda, à Lei de Acesso à Informação (Lei 12.527/2011), à Resolução TSE 23.381/2012, ao Decreto 5.296/2004 e ao Decreto 6.949/2009. Com isso, é possível gerar textos alternativos nas imagens utilizadas, a descrição dos conteúdos de formulário, teclas de atalho e de salto de conteúdo.

Tecnologia assistiva

A partir de tais premissas, o TSE ainda conta com o Rybená, um software que oferece, em tempo real, o áudio de textos em língua portuguesa, a tradução do conteúdo para a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e o alto contraste de cores das páginas.

Trata-se de uma tecnologia assistiva para auxiliar, especialmente, surdos, deficientes visuais, pessoas com deficiências intelectuais, idosos, disléxicos e outras pessoas com dificuldade de leitura. Para conferir, basta clicar nos ícones de acessibilidade localizados no canto direito inferior de cada página. Vale lembrar que o Rybená funciona apenas nos navegadores Chrome e Firefox.

Outra estratégia é a navegação por meio de atalhos no teclado, para pessoas que tenham limitações motoras que as impeçam de utilizar o mouse. Veja, aqui, todos esses comandos.

Se você se interessou por este assunto, assista a um tutorial com mais informações. O vídeo foi produzido pelo canal do TSE no YouTube.

Fonte: TSE